Comunicação a clientes

2021-09-30
Como tem sido amplamente noticiado os preços da energia elétrica em mercado subiram para níveis sem precedentes, como mostramos no gráfico seguinte, e não há perspetivas de descida nos próximos meses. 

Isto faz com que a nossa cooperativa viva hoje tempos muito desafiantes. Se há pouco mais de um ano estávamos a cumprir o sonho de sermos comercializadores independentes, hoje vivemos o pesadelo de ver esse sonho ameaçado: todos os meses desde o início do verão temos vindo a suportar perdas muito significativas com a atividade da comercialização e afigura-se necessária a adoção de medidas drásticas com efeito imediato para assegurar a continuidade da nossa operação e da nossa cooperativa.

Leia esta notícia para conhecer os tarifários da Coopérnico a partir de 4 de outubro de 2021.

Perante este cenário, a Coopérnico vê-se obrigada a propor aos nossos cooperadores e clientes de comercialização uma das duas vias abaixo:
  
1) Mudar para o novo tarifário indexado: a criação de um tarifário indexado sempre foi um objetivo da Coopérnico – a bem da transparência que defendemos – e infelizmente (por motivos tecnológicos e operacionais) só agora nos é possível introduzi-lo.

O preço indexado é formado da seguinte forma: Preço de energia no mercado liberalizado nacional (média mensal) + desvios + custo de gestão e operação da Coopérnico (0,01€/ kWh) + tarifa de acesso às redes + taxas e impostos. A grande vantagem deste formato é que todos os nossos membros e clientes sabem qual o custo real da energia que consomem e qual a (pequena) margem que estão a pagar para cobrir parte dos custos da cooperativa: aquela que nos permite ter os colaboradores e o atendimento personalizado que esperamos da empresa de energia que é nossa. A desvantagem será a incerteza para o cooperante sobre o custo em cada momento da sua eletricidade e, claro, a esperada subida do valor da fatura elétrica.

O que preciso de fazer?
Nada. A alteração para o preço indexado será automática no dia 4 de outubro de 2021 e com efeitos à data do início do próximo período de faturação.

2) 
Mudar o contrato para o Comercializador de Último Recurso (CUR): para mitigar o impacto desta subida o Governo, anunciou que irá subsidiar as tarifas do Comercializador de Último Recurso (CUR) para manter artificialmente os preços da energia a níveis próximos do que se verificou em 2021, permitindo que tenha ofertas de preço inferiores aos restantes concorrentes comerciais. Essa tarifa - efetivamente subsidiada - não pode ser oferecida pela nossa cooperativa, uma vez que não é suficiente sequer para cobrir os custos da compra de energia em mercado.

Nesse sentido, e apesar de nos opormos a esta medida - porque não então aplicar esse subsídio diretamente aos comercializadores em vez do CUR? - recomendamos, a todos os membros que entenderem que não conseguem suportar o aumento de preço, a mudar para o CUR. Fazemos tal recomendação com o coração pesado. Quando começámos este projeto de comercialização foi porque acreditamos - e continuamos a acreditar - que este caminho nos pode levar a um serviço de eletricidade mais justo e até mais proveitoso, para os nossos cooperantes, a comunidade e a sociedade como um todo. Relembramos que as mudanças de comercializador não apresentam qualquer custo ou risco e podem ser efetuadas em qualquer altura, ou seja, mesmo que agora decida mudar o contrato poderá voltar à Coopérnico a qualquer altura.

O que preciso de fazer?
  Ir ao site do CUR – SU Eletricidade – e preencher os dados para geração de novo contrato. 
Por: Direção Coopérnico
Categoria: Comercialização

Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar...